sexta-feira, 17 de junho de 2016

O 3º ministro de Temer cai: Agora, foi Henrique Eduardo Alves, citado na Lava Jato


O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, pediu demissão nesta quinta-feira (16) após ser citado pelo ex-presidente de Transpetro, Sérgio Machado, em acordo de delação premiada.
O Palácio do Planalto já confirmou a informação da saída de Alves.
Com ele, já são três ministros que caíram durante pouco mais de um mês de governoMichel Temer em meio a escândalos de corrupção.
Já caíram Romero Jucá, ex-ministro do Planejamento, e Fabiano Silveira, ex-ministro da Transparência.
Em depoimento à Procuradoria Geral da República (PGR), o ex-presidente da Transpetro afirmou que repassou a Henrique Alves R$ 1,55 milhão em propina entre 2008 e 2014, por meio de doações de empreiteiras.
Teriam sido pagos R$ 500 mil em 2014; R$ 250 mil, em 2012 e R$ 300 mil em 2008 pela Queiroz Galvão. Outros R$ 500 mil foram pagos em 2010 a Alves, pela Galvão Engenharia.
Próximo de Temer, Henrique Eduardo Alves sofria pressão para sair por conta do acúmulo de citações em investigações.
No início deste mês, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou ao Supremo Tribunal Federal que o peemdebista havia atuado para obter recursos desviados da Petrobras em troca de favores para a empreiteira OAS.
Segundo Janot, o dinheiro teria abastecido a campanha de Alves ao governo do Rio Grande do Norte em 2014, quando ele acabou derrotado. A negociação envolveria o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro. As informações constam no pedido de abertura de inquérito enviado ao tribunal.
Alves foi ministro do Turismo no governo da presidente afastada Dilma Rousseff até março, antes do PMDB romper formalmente com a petista.
Na avaliação do líder do DEM no Senado, senador Ronaldo Caiado (GO), a saída do ministro foi acertada e não fragiliza o governo Temer nem as investigações daLava Jato. "O pedido de demissão foi oportuno para que não venha amanhã causar nehum outro desvio de discussão em relação a esse assunto", afirmou.
Ele comparou a forma de atuação do governo Temer com o da presidente Dilma, em que ministros investigados na Lava Jato mantiveram os postos. "O modelo implantado pelo atual governo é diferente do anterior. Qualquer suspeita ou denúncia, mesmo que não tenha amanhã a culpabilidade do que foi dito, ele tem que ter a responsabilidade e o gesto maior de não confundir problemas de ordem pessoal com problemas de governo.", disse.
LEIA MAIS:
ROMERO JUCÁ (PMDB - RR)
Jucá sugeriu em conversas gravadas com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, em março, que uma mudança no governo federal resultaria em um pacto para "estancar a sangria" da operação Lava Jato.Em delação, Machado também revelou que Renan Calheiros (PMDB-AL), e o senador Romero Jucá (PMDB-RR) receberam dinheiro desviado de estatais durante anos.

Fonte:  
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores