quinta-feira, 23 de junho de 2016

Alcoa implementa programa Produção Mais Limpa em Juruti





O programa é um dos conceitos mais inovadores da gestão de resíduos, atuando diretamente no processo produtivo antes da geração.

No mês dedicado ao Meio Ambiente há iniciativas que têm se destacado pelo cuidado e preservação ambiental. Um desses bons exemplos vem de Juruti, no oeste paraense, com a Alcoa que possui operações de bauxita no município. Apostando na sustentabilidade de suas operações, a companhia desenvolve o programa Produção Mais Limpa, que se propõe a trabalhar diretamente na origem dos processos operacionais, buscando a melhoria contínua da qualidade e soluções inovadoras, além de atuar preventivamente antes da geração de resíduos.

O conceito de Produção Mais Limpa (P+L) é atualmente o mais avançado em relação às questões ambientais e vem sendo disseminado desde a década de 1990, quando conceitos como tratamento de resíduos no final do processo, mais conhecido como “fim de tubo”, propagados nas décadas de 1970 e 1980 foram considerados ultrapassados. O P+L busca pela redução e não geração de resíduos, efluentes e emissões atuando em melhorias de processo.

Neste mês, comemorativo ao Meio Ambiente, a Alcoa Juruti desenvolveu blitz nas áreas e divulgou informações sobre o programa a todos os funcionários da unidade. “A partir do momento que o funcionário tem conhecimento dessas informações, ele passa a ser corresponsável do programa. Além disso, estão sendo realizadas campanhas de incentivo a boas práticas, desenvolvimento de ferramentas de controle de materiais e revisões nos procedimentos para evitar o desperdício desses recursos”, afirma Volnei Tenfen, gerente de Segurança, Meio Ambiente e Higiene Ocupacional da Alcoa Juruti. 

Implantado no ano passado, o Produção Mais Limpa avança na unidade da Alcoa em Juruti. O departamento de produção, por exemplo, desenvolveu um sistema eletrônico para inspeções de equipamentos que substituem os check- lists impressos (eram utilizados em média 6 por dia), diminuindo consideravelmente a geração de resíduo de papel.

Outra área que apresentou desempenho satisfatório foi a área do restaurante, que conseguiu reduzir em 45% a quantidade de resíduo enviado para aterro, comparando-se ao ano anterior.   Para essa conquista, foram desenvolvidas diversas ações, como a compostagem de hortifrúti cru. A substituição de copos descartáveis por copos de acrílico reutilizáveis também contribuiu para reduzir a taxa de geração de resíduos de classe II, que são os recicláveis como papel, plástico, metal e madeira.





Fabiana GomesAnalista de Comunicação | Communication Analyst

Temple Comunicação
Travessa Benjamin Constant, 1416. Nazaré.
66035-060 | Belém-PA
+ 55 91 3205.6514 / 98896.7216
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores