segunda-feira, 20 de junho de 2016

CNI lança Agenda Internacional com propostas para ampliar comércio exterior



20/06/2016 – RELAÇÕES INTERNACIONAIS
 
Se você não está conseguindo visualizar corretamente este e-mail, acesse aqui.
 
 
 
CNI lança Agenda Internacional com propostas para ampliar comércio exterior
 
 
 
Documento, elaborado pela primeira vez pela entidade, aponta ações urgentes para impulsionar exportações. Acordos internacionais, financiamento e mudanças no Mercosul estão no documento
 
 O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, apresentou as prioridades da indústria para o comércio exterior ao ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, e ao secretário-executivo do Ministério das Relações Exteriores, Marcos Galvão, nesta segunda-feira (20). Eles participam do encontro da Coalização Empresarial Brasileira (CEB), que completa 20 anos, na sede da CNI, em Brasília. É a primeira vez que a CNI elabora um documento específico para ampliar a inserção internacional das empresas brasileiras.
“O comércio exterior deve fazer parte de uma agenda estratégica e permanente para o aumento da competitividade do país. Se essa atividade já é importante para estimular o crescimento em períodos de normalidade da economia, ela se torna ainda maior em tempos de restrições no mercado interno, como o que estamos vivendo atualmente”, disse Robson Braga de Andrade.
As negociações comerciais são parte importante da agenda da CNI, que, nos últimos anos, tem defendido o aumento da rede brasileira de acordos bilaterais de comércio. O Brasil tem ficado à margem dos grandes acordos de integração internacional. Atualmente, os acordos brasileiros com outros países representam menos de 8% do comércio global, enquanto os Estados Unidos atingem 30%; a União Europeia, 45%, e o México, 57%.
Para a CNI, permanecer fora dessa rede de acordos impõe às empresas brasileiras custos mais altos para exportar e menor segurança jurídica, além de obrigar os empresários a lidar com regras menos favoráveis para vender, comprar, investir e receber investimentos estrangeiros.
SEGURANÇA JURÍDICA – Para alavancar o comércio exterior, a Agenda Internacional da Indústria 2016 reúne as principais ações para os próximos meses, com propostas de política pública para acordos comerciais, investimentos brasileiros no exterior, facilitação e desburocratização do comércio exterior, barreiras tarifárias e não-tarifárias, tributação no comércio exterior, financiamento e garantias às exportações, defesa comercial e mecanismos para mercados prioritários. Também trata da agenda de missões e mecanismos para atração de investimentos.
“Construímos a Agenda Internacional com as federações das indústrias, associações setoriais e empresas exportadoras. Assim conseguimos reunir as prioridades de atuação da CNI na promoção da inserção internacional das empresas brasileiras. A agenda considera dois eixos de atuação: o da influência sobre políticas comerciais e o de serviços de apoio à internacionalização das empresas”, explicou o presidente Robson Braga de Andrade.
Veja a agenda completa: Estudo em PDF no Portal da Indústria
Medidas mais importantes
ACORDOS COMERCIAIS: Incluir os acordos comerciais como parte central da estratégia comercial do Brasil. No curto prazo, privilegiar União Europeia e México;
INVESTIMENTOS: Adotar políticas para facilitar os investimentos brasileiros no exterior, com mudança da lei de expatriados e acordos de dupla tributação. Investir fora aumenta exportações e fortalece o Brasil;
TRIBUTAÇÃO: Desonerar serviços nas exportações. Serviços são insumos cada vez mais importantes para a indústria e a redução da carga tributária sobre exportações fomentaria as vendas para o exterior;
REMOÇÃO DE BARREIRAS COMERCIAIS: Levantar as barreiras comerciais e aos investimentos nos mercados da China, dos Estados Unidos e da União Europeia;
DESBUROCRATIZAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR: Aumentar a segurança jurídica e reduzir os tempos de decisões com varas especializadas em comércio exterior no Judiciário brasileiro;
PROMOÇÃO DE NEGÓCIOS: Priorizar mercados em crescimento, como Estados Unidos. Atuar em mercados como Argentina para promover investimentos, dada as mudanças políticas no país;
ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS: Com atuação em rede junto aos estados brasileiros, definir setores prioritários para atrair investimentos e trazer potenciais investidores.
ATENDIMENTO À IMPRENSA
Gerência de Jornalismo da CNI

(61) 3317-9578 / 8917 / 9825
imprensa@cni.org.br
http://www.portaldaindustria.com.br/
http://www.bancodemidia.cni.org.br
https://twitter.com/CNI_br
https://www.facebook.com/cnibrasil
http://www.youtube.com/user/cniweb
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores