quinta-feira, 30 de junho de 2016

Uber da medicina revoluciona atendimento médico no Brasil


Com mais de 1000 médicos cadastrados, o aplicativo Docway resgata valores da medicina humanizada levando o especialista até o paciente


E se, em vez de ir até o consultório, o paciente tivesse a oportunidade de realizar as consultas em casa, com apenas alguns cliques na tela do celular? Isso mesmo. Com o aplicativo Docway, que trouxe um conceito inédito para o segmento, é possível chamar o médico para uma visita onde quer que o paciente esteja resgatando um dos principais valores da medicina humanizada. Lançado no segundo semestre de 2015, a ferramenta é um sucesso em mais de 40 cidades brasileiras, entre elas Curitiba, Belo Horizonte e agora em São Paulo. 

Mães com filhos pequenos, idosos, pessoas que necessitam de cuidados especiais ou que possuem dificuldades de locomoção e até mesmo quem não deseja enfrentar filas de hospitais e consultórios podem contar com o serviço personalizado. No Docway, que roda nos sistemas Android e IOS, há um banco de dados médicos disponíveis. Ao escolher a especialidade, o usuário pode solicitar a consulta seja para aquele exato momento ou com o dia e hora marcada. As consultas não têm preço fixo, variam de acordo com atendimento e a especialidade.

Para o médico, aparecem consultas disponíveis, sendo que ele aceitará a solicitação conforme a conveniência e as atividades já cadastradas por ele. Assim que o profissional aceita a consulta, o paciente recebe a confirmação. “No próprio aplicativo, o paciente é informado sobre o preço da consulta. Se ele possuir plano de saúde, o valor pode ser devolvido integralmente ou parcialmente pela operadora de saúde – conforme contrato firmado com o plano – ou escolher pela dedução do Imposto de Renda”, explica Fábio Tiepolo, CEO e Fundador do Docway.

Outra facilidade que o aplicativo oferece é a possibilidade de realizar o pagamento via cartão de crédito. Hoje, infelizmente, alguns hospitais, clínicas e consultórios ainda aceitam apenas cheque ou dinheiro, fator que impede, muitas vezes, a consulta de pacientes que não têm o hábito de carregar cédulas no bolso. “Os dados são cadastrados pelo paciente quando for utilizar o aplicativo e a consulta só é cobrada no final do atendimento”, diz o empresário. Ainda em 2016 o Docway deverá atender mais quatro capitais brasileiras ainda em 2016: Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Goiânia.

Profissionais

O aplicativo conta hoje com mais de 1000 médicos cadastrados, entre eles: pediatras, geriatras, clínico-geral, cardiologistas, dermatologistas e outras especialidades médicas. O profissional que optar por fazer parte do banco de dados anexará documentos pessoais e profissionais na área do aplicativo que é direcionada aos médicos de forma simples. Após a liberação, o médico recebe um treinamento para melhor atender o paciente em domicílio. Além disso, o Docway oferece outros serviços, entre eles vacinas e coleta de exames. 

Concepção da ideia 

Recentemente o Instituto Datafolha apontou que a saúde é o principal problema dos brasileiros, não só para quem depende do Sistema Único de Saúde (SUS), mas também aqueles que possuem ou não planos de saúde. “A ideia do Docway surgiu a partir de pesquisas que apontam a baixa satisfação dos usuários, médicos e pacientes, dos sistemas públicos e privados. As razões vão desde a alta demanda, que provoca uma demora no agendamento de consultas, que, por muitas vezes, são realizadas de forma rápida e superficial, tornando a relação médico-paciente impessoal”, afirma Fábio Tiepolo.

O Brasil tem déficit aproximado de 407 milhões de consultas, situação que pode ser observada em diversos municípios e as grandes filas de pacientes. “O Docway é uma solução rápida de localizar um médico próximo e marcar uma consulta para quando desejar. Desta forma, as pessoas podem ter um atendimento mais pessoal, na segurança e conforto da própria casa, de forma exclusiva e particular”, finaliza o empresário.

Para mais informações sobre o aplicativo, acesse o site www.docway.co 

Fonte: P+G Comunicação Integrada
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores