quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Dia Mundial da Psoríase - Psoríase: doença não contagiosa, mas cercada de preconceito


No Dia Mundial da Psoríase, a Sociedade Brasileira de Dermatologia faz alerta e pede mais conscientização sobre o assunto.

O dia 29 de outubro é considerado o Dia Mundial da Psoríase e para disseminar o assunto e sensibilizar a população, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) lança uma campanha de conscientização a respeito da doença. Caracterizada pelas placas vermelhas descamativas e “casca” branca saliente em algumas regiões da pele, a psoríase - enfermidade que atinge 2 milhões de brasileiros - por conta do desconhecimento ainda é tratada com muito preconceito e causa situações delicadas no cotidiano dos pacientes devido ao seu aspecto estético.

Marcada pelas placas vermelhas e descamação mais evidentes e grosseiras nas regiões do couro cabeludo, cotovelo e joelho e em casos mais extremos pode se espalhar por toda a pele e também atingir as articulações, a psoríase é uma doença crônica e não contagiosa. “Por não existir cura para esta enfermidade, muitas vezes os pacientes a tomam como uma sentença e habituam-se a ela após várias tentativas frustradas de tratamento. Falta de orientação, tanto relativa à doença em si como em relação ao bem-estar psíquico do paciente, é, talvez, o maior desafio a ser superado”, afirma o médico dermatologista, André Lauth.


A enfermidade, embora seja relativamente comum e de fácil tratamento, acarreta sofrimento constante ao paciente em virtude das feridas e da sua forma de manifestação. De acordo com um estudo brasileiro chamado BEYOND, 63,7% dos pacientes com psoríase analisados apontaram algum tipo de dificuldade – seja associada à dor ou a questões emocionais, como o preconceito. A pesquisa apontou ainda a predisposição desses pacientes a outras doenças como à obesidade, hipertensão arterial e taxas alteradas de gordura.

Tratamento 

Felizmente existe uma grande quantidade de possíveis tratamentos. Segundo o Dr. André Lauth, cada caso precisa ser estudado de maneira individual. “A maioria dos pacientes consegue controlar bem a doença com tratamentos simples e baratos, mas existem casos resistentes nos quais são necessárias medicações de custo mais elevado, várias delas fornecidas pelo SUS, e acompanhamento dermatológico constante”, completa o especialista. 

Para mais informações sobre a doença, a SBD mantém um site à disposição da população para consultas: www.psoriasetemtratamento.com.br.

Fonte: Bruna Bozza - P+G Comunicação Integrada
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores