segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Com aporte, Fast Channel mira e-commerce B2B


Com novo aporte de fundo de investimentos, Fast Channel mira mercado trilionário do e-commerce B2B.

Plataforma integra tecnologia com inteligência de vendas e marketing digital para estruturar e operar comércios eletrônicos corporativos. 

Com o objetivo de traduzir para as vendas corporativas a revolução que o e-commerce fez no varejo, o Fundo de Investimentos Parma, que tem em seu portfólio a Fast Shop, entre outras companhias, fez um aporte na Vertis, pioneira em infraestrutura de comércio digital no Brasil. A parceria deu origem à Fast Channel (www.fastchannel.com), que aposta em um mercado com estimativa de movimentar US$ 6,7 trilhões por ano até 2020, o dobro do B2C, segundo projeção da consultoria Frost & Sullivan.

A Fast Channel oferece um modelo chamado DSaaS (“Digital Sales as a Service”, ou “vendas digitais como serviço”), que tem por objetivo aumentar as vendas. Na prática, é composto de uma infraestrutura completa de tecnologia e inteligência de e-commerce que substitui ou complementa os canais tradicionais. “Mais do que uma plataforma tecnológica, incorporamos know-how de vendas e marketing ao ambiente do e-commerce para garantir o sucesso do negócio”, conta Mauricio Di Bonifacio, fundador da Vertis que assumiu a diretoria da Fast Channel. O serviço acaba de ser lançado, depois de passar por longo período de maturação.

Outro objetivo da plataforma é otimizar a maneira como as empresas distribuem seus produtos, alavancando a força da própria marca para potencializar o resultado dos canais. “Grandes companhias se relacionam bem com as maiores redes varejistas e distribuidores, mas têm dificuldades em alcançar os clientes corporativos da ponta. Facilitar essa negociação na internet é benéfico para todas as partes envolvidas”, comenta Di Bonifacio.

Para o consultor Carlos Bassi, que possui larga experiência na indústria de tecnologia e serviços e atua como advisor na Fast Channel, além de potencializar resultados, o modelo é uma tendência. “A desintermediação é um dos efeitos comuns da transformação digital, mas a otimização dos canais existentes é um passo fundamental e que não pode ser negligenciado - mesmo para as empresas que almejam ter uma relação direta com o cliente no canal digital", explica. Bassi destaca, ainda, a possibilidade que o DSaaS oferece de potencializar os canais tradicionais de venda por meio de integração de leads e pedidos captados no e-commerce.

O processo de implementação do serviço utiliza uma metodologia inspirada no conceito de startup enxuta, o que possibilita testar hipóteses e crescer a operação de forma gradual. “A estratégia permite a validação do modelo ideal, que é específico de cada indústria, sem a necessidade de investimentos em customização e integração com sistemas legados, reduzindo drasticamente o risco e os custos inerentes a um processo de inovação”, finaliza Di Bonifacio.

O modelo de negócio é baseado em comissões sobre as vendas. A expectativa da empresa é alcançar faturamento de R$ 12 milhões em 2017.

Sobre a Fast Channel
A Fast Channel atua na transformação digital do canal de vendas de empresas que buscam ampliar os resultados no B2B. Oferece uma plataforma chamada DSaaS - Digital Sales as a Service, que integra serviços de marketing digital, inteligência de vendas e uma robusta plataforma de e-commerce. www.fastchannel.com.

Fonte: Release - Press Works
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores