terça-feira, 25 de julho de 2017

Condução do motorista impacta na segurança e custos de empresas de ônibus


O atual cenário das empresas de transportes coletivos urbanos passa por uma fase delicada marcada por altos custos operacionais.  Os gastos com consumo de diesel, a redução da demanda de passageiros por conta de desemprego e aplicativos de viagens, as taxas tarifárias que não cobrem os custos da operação, entre outros, são alguns dos fatores responsáveis pelo momento desafiador que exige novas estratégias. Além disso, existem outros custos que muitas vezes passam despercebidos pela gestão, mas são bem representativos na fatia de gastos que podem ser evitados. Um grande gargalo neste sentido é a forma de condução do motorista, que “queima” 12% do total pago com combustível por más práticas na condução.

Assim, uma empresa com gasto de R$ 1 milhão por mês com combustível chega a ter um desperdício avaliado na casa de R$120 mil/mês, uma receita expressiva que poderia ser realocada em investimentos para a melhoria da operação. Entre as práticas mais onerosas estão longas paradas com motor ligado, excesso de velocidade, condução em faixas elevadas de RPM (rotação por minuto) e eventos de risco, como frenagens, curvas e arrancadas bruscas.

Como reverter este cenário?
Acompanhar a performance dos motoristas nas vias e ter detalhado em sistema todas as práticas dos condutores, principalmente as que estão resultando em gasto excessivo de combustível é uma inteligência que está revertendo este cenário e as recentes fragilidades devem servir de alerta para o setor buscar inovações e ganhar destaque diante dos concorrentes

O monitoramento e a aplicação de medidas corretivas imediatas, que parecia impossível há alguns anos, já está sendo adotado por empresários visionários, familiarizados com ferramentas de gestão como BI (Business Intelligence), indicadores de desempenhos e dashboards que dão agilidade na tomada de decisão. Esse novo momento é fruto do avanço tecnológico que otimizou processos no setor e aumentou a rentabilidade dessas empresas.

Pensando nisso, a Veltec, empresa com mais de 13 anos de mercado que oferece soluções para gestão de frotas com foco na redução de custos e prevenção de acidentes de trânsito, desenvolveu ferramentas que conseguem identificar as práticas mais onerosas e arriscadas para operação.

A força tecnológica da empresa deu origem a uma solução que permite o compartilhamento das informações e interação com o motorista em tempo real. Assim, quando é identificada uma conduta indevida, o instrutor da frota consegue enxergar no exato momento. Ao mesmo tempo, o motorista recebe um alerta no veículo sobre sua forma de condução e repara a imprudência no momento em que ela acontece.

A solução da Veltec gerou para o setor de transportes coletivos urbano, já nos primeiros 30 dias, uma redução de gastos de 7% no consumo de combustível.  A economia expandiu para 12% nos primeiros 90 dias e ainda levou inteligência para toda a operação, além de ter impulsionado oportunidades de melhoria. 

“Fazemos isso monitorando a forma de condução dos motoristas ao fornecer informações estratégicas para medidas corretivas imediatas, acabando com os gargalos da operação e, principalmente, criando um padrão de condução econômica para a empresa. Além dos resultados imediatos com a redução de custos, a ferramenta também previne incidentes, como queda de passageiros, acidentes de trânsito que geram custos materiais e com processos jurídicos, e muitas vezes chegam a acabar com vidas” afirma Giovani Benedetti,  diretor de tecnologia da Veltec.

A Veltec conta com mais de 1300 clientes e já gerou economia para grandes companhias que se tornaram cases com resultados expressivos, como Ambev, Viação Águia Branca, White Martins, Raízen, entre outros, além de importantes grupos do setor de transportes coletivos como Rimatur (PR), Saritur (MG), Scandia (ES/MG), Santa Zita (ES/MG) e Omnibus (ES/MG).


Fonte: Ato.Z Comunicação Inteligente 
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores