quarta-feira, 19 de julho de 2017

APM exige que ministro se retrate publicamente com os médicos do Brasil



Em momento de profunda crise que atinge todos os segmentos da sociedade, é com perplexidade e indignação que a Associação Paulista de Medicina recebe a declaração do ministro da Saúde, Ricardo Barros, de que a adoção da biometria nas unidades de saúde do País fará “...o médico parar de fingir que trabalha”. 

A irresponsável afirmação evidencia que o Governo escolhe novamente os médicos como responsáveis pelas mazelas da saúde. Em um sistema de saúde subfinanciado, condenado recentemente a ter os recursos congelados por 20 anos, com estrutura sucateada, escassez de insumos, de recursos humanos multidisciplinares, os médicos brasileiros, ao contrário da visão distorcida do senhor Ricardo Barros, cumprem com honradez e excelência seu papel, oferecendo aos cidadãos o melhor de suas habilidades, cuidado e humanismo. 

Tivéssemos uma gestão séria e de fato compromissada em atender às necessidades sociais, não veríamos na linha de frente do atendimento situações gravíssimas, como urgências e emergências lotadas de cidadãos em estado grave, precisando de internações, UTI etc. Enquanto os pacientes sofrem com a falta de vagas, de acesso, de medicamentos, com questões estruturais e tantos outros problemas não equacionados pela pasta da saúde, os médicos fazendo o melhor, inclusive se expondo a decidir quem deve ser assistido em primeiro lugar e quem permanece aguardando, o que em vezes significa vidas em potencial risco. 

O profissional médico, vale lembrar, dedica anos de sua vida e considerável investimento à formação profissional, já sabendo que seu ofício terá percalços de todos os gêneros. Mesmo assim, segue em frente por acreditar no Juramento de Hipócrates; o faz por gostar de gente e valorizar o bem estar do próximo.
Quando vai para a linha de frente do atendimento, principalmente na rede pública, conhece de antemão as adversidades. Mas se apresenta porque deseja servir, da melhor forma possível, aqueles que necessitam de assistência em saúde.

Por tudo isso, a APM se solidariza com os médicos de São Paulo e do Brasil. Nossa compreensão é a de que o Governo é quem deve explicações e desculpas à Nação, pois não tem políticas consistentes, fecha os olhos às demandas da população e administra caoticamente a saúde. Da parte do Excelentíssimo Ministro da Saúde, lhe cabe, no mínimo, uma retratação pública.


Fonte: Acontece Comunicação e Notícias
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores