segunda-feira, 18 de julho de 2016

Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho: fratura da coluna pode ser acompanhada de lesão na medula


No próximo 27 de julho é comemorado o Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho, data que simboliza toda uma luta por melhorias nas condições de segurança e saúde em ofício. Segundo estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), de um total de 2,34 milhões de mortes a cada ano, 321 mil se devem a acidentes. As restantes 2,02 milhões de mortes são causadas por diversos tipos de enfermidades relacionadas, o que equivale a uma média diária de mais de 5.500 mortes. Dentre os acidentes sem mortes, que geram lesões de parciais a graves, a coluna vertebral aparece com destaque, levando muitos trabalhadores a se afastarem de suas atividades, temporária ou definitivamente. 

De acordo com o neurocirurgião especialista em coluna pela UNIFESP, Dr. Alexandre Reis Elias, algumas funções são consideradas de maior risco de acidentes para a coluna, como aquelas executadas por motociclistas, caminhoneiros e motoristas em geral, carregadores e trabalhadores da área da construção civil, que contabilizam maior número de casos de acidentes. “A área comumente mais afetada nos acidentes de trabalho é a cervical e a torácica, sendo a cervical mais suscetível à gravidade, devido a sua mobilidade e possibilidade de atingimento do sistema nervoso e rompimento da medula”, relata o médico.

A medula espinhal passa pelo pescoço e pelas costas e é protegida pela coluna vertebral, que fornece suporte para o tronco; e cercada pelos discos vertebrais, que servem como amortecedores ao caminhar, correr ou saltar. Os acidentes podem lesar parcial ou completamente a medula. “A lesão é completa quando não cessa o movimento voluntário abaixo do nível da área lesionada. Já a lesão incompleta ocorre quando há algum movimento voluntário ou sensação abaixo do nível da lesão”, relata o médico.

Dr. Alexandre Elias chama a atenção para a necessidade reforçar a prevenção dos acidentes, através da medicina do trabalho e itens de segurança orientados para a execução de atividades de risco de quedas e ferimentos, não apenas em práticas realizadas pelas empresas, mas no cumprimento das normas de segurança pelos funcionários, que não raro as negligenciam ao não usar os equipamentos necessários ou realizar atividades com as atenções devidas.

Outra dica do médico é de alertar que ao acidente com suspeita de lesão na coluna, o indivíduo só deve ser transportado por equipe de saúde preparada para os devidos socorros, como o SAMU, que conhece as manobras necessárias e possui a prancha rígida para transportar a vítima e o colar cervical para imobilizá-la.

Quanto ao tratamento, o neurocirurgião reforça a importância da emergência médica para um tratamento imediato, com objetivo de reduzir os efeitos no longo prazo. “O tempo que se leva para iniciar o tratamento após a lesão ter ocorrido é um fator fundamental que afeta diretamente no resultado e na eficácia do mesmo, que pode, em casos mais graves, envolver procedimentos cirúrgicos”, finaliza.

Independentemente dos acidentes, o médico também destaca a necessidade de cuidados gerais de postura no dia a dia, mesmo em atividades leves, mas muito repetitivas e de longa jornada, que exijam da pessoa permanecer de pé ou sentado por muitas horas. Mesmo que elas não apresentem risco de acidentes, em longo prazo podem causar desgaste e agravar problemas já instalados.

Fonte para entrevista:
Dr. Alexandre Elias é e especialista pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN), pela Sociedade Brasileira de Coluna Vertebral (SBC), mestre pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e research fellow em cirurgia da coluna vertebral na University of Arkansas for Medical Sciences (EUA).

É membro do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital 9 de Julho membro do Centro de Dor e Coluna do Hospital 9 de Julho, desde 2001

Chefiou o setor de cirurgia da coluna vertebral no Departamento de Neurocirurgia da Unifesp (2010 a 2015).

Dr. Alexandre na web


Informações para a Imprensa:
Baruco Comunicação Estratégica
Aline Aprileo 11 96986.6278 – aline.aprileo@baruco.com.br
Erika Baruco 11 99900.7448 – erika@baruco.com.br
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores