terça-feira, 26 de julho de 2016

Opinião - Planos mais baratos, SUS desafogado



Planos mais baratos, SUS desafogado

*Cadri Massuda

Recentemente, o ministro da saúde, Ricardo Barros, defendeu a criação de planos de saúde mais baratos como forma de reduzir a demanda do Sistema Único de Saúde (SUS). Essa solução surgiu em um momento de crise e falta de recursos na área da saúde. A estratégica, embora tenha gerado muita polêmica e críticas, é viável e pode ajudar a tirar essa pressão atual do sistema público de saúde e melhorar os serviços oferecidos à população.

Hoje, o SUS atende cerca de 150 milhões de pessoas e a medicina suplementar aproximadamente 50 milhões. Entretanto, o total investido pelos planos de saúde é maior dos que o do SUS. Entre os problemas que encarecem os custos dos planos estão a inflação médica, que em geral, é o dobro da inflação; a medicina cada vez mais cara com o surgimento de novas tecnologias; medicamentos de última geração como os quimioterápicos, monoclonais ou terapia gênica; e o envelhecimento da população. Para que os planos de saúde possam ser mais baratos e assim atender uma maior parcela da sociedade, o governo propôs diminuir a lista de serviços obrigatórios.

Baixar o custo dos planos de saúde é possível, mas requer algumas medidas. Calcula-se que é possível diminuir o valor cobrado em até 30%. Para isso, são necessárias algumas adequações no atendimento, além de uma campanha de educação para que exista mudança na forma como a população enxerga o papel dos planos de saúde. Hoje, o que ocorre é a necessidade de ter um plano voltado ao problema pré-existente, isto leva a seguinte conclusão: o plano ao invés de ser voltado à saúde acaba em grande parte sendo voltado à doença, portanto é preciso estimular que pessoas saudáveis também procurem ter plano de saúde como opção de cuidados para o futuro.

Alguns entraves dificultam as mudanças que realmente são capazes de resultar em diminuição de custos. Uma delas é a legislação atual, que não permite bonificação por uso dos serviços, a exemplo do que existe com os seguros de carro. A bonificação poderia ser um estímulo tanto para a utilização racional do serviço de saúde – consultas e exames – quanto para beneficiar usuários que sigam programas de prevenção, como cuidados alimentares, exercícios e eliminação de vícios. Essas são formas de diminuir, efetivamente, os gastos e os custos.

Uma mudança na forma como os reajustes são autorizados pela Agência Nacional de saúde (ANS) também é necessária. É preciso permitir reajustes conforme a sinistralidade. Isso poderia estimular as operadoras a comercializarem planos familiares. Os reajustes autorizados pela ANS ao setor estão aquém da inflação médica, o que faz com que a maioria das empresas opte por não comercializar esse tipo de produto. Ao mesmo tempo, outra medida interessante seria a flexibilização de contratos. Isso significa possibilitar novas opções de planos de saúde conforme a necessidade da região do país.

Outra forma de otimizar o serviço é estimular uma prática que ainda é vista com ressalva pelos segurados que tem plano de saúde,  é a figura do médico de família ou médico gestor. Esse profissional seria o responsável pelo atendimento e encaminhamento dos pacientes, somente quando necessário. Isso evitaria consultas, exames e até tratamentos desnecessários. A Medicina de Família é largamente utilizada com ótimos resultados em diversos países, como Inglaterra, Canadá e Espanha.

Com essas mudanças de paradigmas e atitudes é possível oferecer planos de saúde com valores mais baixos e aumentar a gama de usuários, fazendo com que o serviço deixe de ser acessível apenas aos grupos de classe média e alta. A popularização dos planos é uma saída para a crise do setor de saúde pública, desafogando o SUS e oferecendo um atendimento de qualidade à população.

*Cadri Massuda é presidente da Abramge PR/SC – Associação Brasileira de Planos de Saúde

Fonte: André Oliveira
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores