quinta-feira, 21 de julho de 2016

Em 8 pontos: O que já se sabe sobre os suspeitos de planejar ataques no Brasil


A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira brasileiros suspeitos de planejar ataques na Olimpíada do Rio. Eles se comunicavam pela internet e parte fez juramento de lealdade ao grupo autodenominado Estado Islâmico - mas, segundo as investigações, não tiveram contato direto com os extremistas. 
São 12 pessoas com pedidos de prisão, sendo que 10 já foram detidos. Segundo o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, eles não se conheciam pessoalmente e vivem em diferentes Estados do país.
"Aparentemente, era uma célula absolutamente amadora, sem nenhum preparo", disse o ministro em entrevista coletiva no fim da manhã. De acordo com ele, a probabilidade de um ataque na Olimpíada é "mínima".
Confira o que já se sabe sobre o caso.

1) Quem eram os suspeitos?

São 12 pessoas com prisão decretada, sendo que 10 já foram detidas. As outras duas já foram rastreadas pela Polícia Federal, mas ainda não tinham sido detidas até o momento do pronunciamento de Moraes, no fim da manhã.
Todos os suspeitos são brasileiros - suas idades não foram reveladas. Segundo o juiz federal Marcos Josegei da Silva, um dos responsáveis pelo caso, há jovens e pessoas de meia idade. "A maioria tem entre 20 e 40 anos de idade", disse.
O magistrado afirmou que nenhum deles têm nome ou sobrenome característicos do Oriente Médio, mas utilizam em suas conversas pela internet apelidos de origem árabe.
Além das 12 pessoas com pedido de prisão, um menor de idade foi alvo de ação de busca e apreensão.
Os suspeitos nunca marcaram um encontro pessoal - eles não se conheciam pessoalmente e viviam em Estados diferentes. Segundo o ministro, a ordem era cada um por si.
De acordo com a Justiça Federal, os investigados preconizam a intolerância racial, de gênero e religiosa, além do uso de armas e táticas de guerrilha para alcançar seus objetivos.
Eles foram detidos em dez Estados: Amazonas, Ceará, Paraíba, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Dois deles já foram condenados e cumpriram prisão por homicídio.
Além disso, a operação investiga uma ONG "com atuação na área humanitária e educacional" que teria colaborado com o grupo suspeito.

2) Como eles se comunicavam?

Os envolvidos participavam de um grupo virtual chamado Defensores da Sharia - a lei islâmica. A investigação contou com quebra de sigilo telefônico e de dados dos suspeitos, que trocavam mensagens usando redes sociais.
Eles também se comunicavam via aplicativos de mensagens instantâneas como WhatsApp e Telegram. Questionado pela BBC Brasil, o ministro disse, no entanto, que não poderia esclarecer se houve monitoramento desses aplicativos.
Nesta semana, o WhatsApp foi tirado do ar por algumas horas, após decisão judicial, justamente por sua resistência em quebrar a privacidade dos usuários para permitir monitoramento de supostos criminosos - a empresa diz que, como as conversas agora são criptografadas de ponta a ponta, ela não tem acesso às conversas.
"Nós temos outros métodos de investigação", disse o ministro, sem especificar quais.

3) Qual era o contato com o Estado Islâmico?

Segundo as investigações, não houve contato direto com os extremistas. Mas alguns dos suspeitos fizeram juramento ao grupo pela internet - de acordo com Moraes, isso foi realizado por meio de uma ferramenta online padrão.
Ele não soube precisar o número, mas de quatro a seis indivíduos teriam feito o juramento.
Além disso, um deles teria manifestado a intenção de ir ao exterior para fazer contato com o grupo, mas dias depois desistiu por falta de recursos para custear a viagem.

4) O que permitiu que eles fossem presos?

O grupo detido nesta quinta-feira está sendo investigado com base em dois artigos da recém aprovada lei 13.260, a Lei Antiterrorismo.
Segundo o juiz Silva, um deles é o artigo 3º, que caracteriza como crime "promover, constituir, integrar ou prestar auxílio" a organização que realiza ataques terroristas. A punição varia de cinco a oito anos de prisão e multa.
O outro é o artigo 5º, que descreve a ação criminosa de "realizar atos preparatórios de terrorismo". A pena para esse crime depende do ato que vinha sendo realizado pelo suspeito.
Segundo o ministro Moraes, as pessoas presas trocaram mensagens em que planejavam iniciar treinamento em artes marciais e em tiro.
Um deles enviou e-mail para uma loja de armas para comprar um fuzil AK-47, disse o ministro.
As autoridades não deram mais detalhes sobre a preparação dos supostos ataques.

5) Que tipo de ataque pretendiam executar?

Pelas conversas monitoradas, o ministro identificou que o grupo teria mais interesse em um ataque por tiros, já que discutiram sobre treinamento em armas e um deles tentou comprar um AK-47.
Além disso, disse Moraes, eles elogiaram nas conversas o ataque recente de um atirador solitário em uma boate gay em Orlando, nos EUA, que terminou com 50 pessoas mortas. "Em nenhum momento eles falaram de bomba", notou o ministro.
Em outro ataque recente, em Nice, na França, um homem atirou um caminhão contra uma multidão, matando 84.

6) Qual o nível de periculosidade do grupo?

Moraes classificou o grupo de "célula absolutamente amadora" e "desorganizada". Os suspeitos vivam em Estados diferentes e nunca tinham se encontrado pessoalmente.
O ministro disse que não pode detalhar quando teve início o monitoramento dos presos, mas revelou, por exemplo, que as mensagens sobre treinamento em artes marciais e tiro eram muito recentes.
"Aparentemente, era uma célula absolutamente amadora, sem nenhum preparo. 'Vamos treinar artes marciais', essa mensagem é recentíssima. E qualquer célula organizada não tentaria comprar uma arma na internet. Até porque um deles estava no Paraná, mais próximo de onde sabemos que infelizmente se compra muita arma, que é o Paraguai", explicou.
Apesar do claro amadorismo dos suspeitos, o ministro disse que nenhuma ameaça, por mínima que seja, deve ser ignorada.
"Nenhuma força de segurança séria pode ignorar, mesmo verificando que tudo levaria a crer que não realizaria um ato sério, competente de terrorismo, mas não seria de bom senso aguardar para ver", destacou.

7) Qual o grau de risco para a Olimpíada?

Moraes informou que nem o governo brasileiro nem as agências internacionais alteraram a classificação de risco de ataque no Brasil após essas prisões.
Ele reiterou que "a questão da segurança pública (na Olimpíada) é muito mais importante, gera muito mais preocupação que a questão do terrorismo".
"Probabilidade mínima de ataque terrorista", disse ainda. 

8) Quais serão as próximas etapas da investigação?

Além das prisões, a Polícia Federal realizou uma série de mandados de busca e apreensão. Os objetos coletados (entre eles computadores, celulares e documentos) serão analisados e os suspeitos detidos, interrogados.
O objetivo é tentar verificar se eles realmente pretendiam realizar os atentados sobre os quais falaram na internet.
"Nem tudo que uma pessoa preconiza no mundo virtual, ela vai realizar no mundo real", disse o juiz.
Segundo ele, as prisões eram necessárias devido ao contexto mundial de ataques recentes.
Os suspeitos cumprirão prisão temporária de 30 dias - prorrogáveis por mais 30 - para que não atrapalhem as investigações.
Fonte: 
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores