segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Aplicativo criado por universitários torna a ação de doar uma atividade diária e sem custos


Já pensou em mudar o mundo com um clique na tela do celular? É o que promete o Ribon, aplicativo desenvolvido por três universitários que possibilita a experiência real da doação a partir do simples desbloqueio da tela do celular. O aplicativo pretende alcançar aqueles que desejam ajudar outras pessoas, mas não sabem a melhor maneira de fazer isso.

Como funciona o Ribon
Ribon é uma referência em inglês a “laço”, já que a ideia é aproximar as pessoas dispostas a doar daquelas que necessitam de ajuda. O Ribon capta recursos das empresas anunciantes, que exibem sua marca no formato de marketing de conteúdo na tela de bloqueio do celular dos usuários. A cada desbloqueio, o usuário ganha um “ribon”, que é acumulado como uma moeda e pode ser destinado às ONGs de maior impacto social do mundo.

Como, em média, uma pessoa desbloqueia o smartphone de 100 a 150 vezes por dia, centenas de ribons podem ser acumulados diariamente. Na tela de desbloqueio, o usuário escolhe colocar a senha e acessar as informações do celular normalmente ou entrar no aplicativo Ribon, conferir quantas moedas possui e ler o conteúdo disponibilizado pelos anunciantes.

Ao entrar no painel do aplicativo, o usuário pode doar os ribons acumulados para a instituição que quiser. Com mil Ribons (aproximadamente 10 dias de uso do aplicativo), o usuário pode destinar recursos para prover água potável para uma pessoa por 25 dias ou prevenir a desnutrição de uma criança durante 3 meses.

As instituições e causas selecionadas para as doações no aplicativo são as ONGs de maior impacto social do mundo, que atuam em regiões de extrema pobreza. Além disso, as instituições escolhidas foram as melhores colocadas em pesquisas que analisaram a contabilidade e a transparência das Organizações não-governamentais no planeta. Em breve, o download do aplicativo poderá ser feito gratuitamente por meio da Play Store.

Sobre a equipe
O time de desenvolvedores do Ribon conta com Rafael Rodeiro, 21 anos, graduando em Engenharia de Produção pela UnB. Assim como seus sócios, Rafael conheceu o empreendedorismo por meio do Movimento Empresa Júnior (MEJ) e chegou a presidir o Grupo Gestão, empresa júnior do curso. João Moraes, 21 anos, também integra a equipe. Ele é graduando em Design pela UnB e, atualmente, é presidente da Lamparina Design, empresa júnior do curso. Completa o time Carlos Menezes, 21 anos, ex-aluno de Ciência da Computação da UnB e atual coordenador de TI da Federação das Empresas Juniores do Distrito Federal - Concentro.

Segundo Rafael Rodeiro, CEO da empresa, o aplicativo promove o sentimento de felicidade que invade as pessoas ao realizarem uma doação. “O aplicativo possibilita retirarmos os obstáculos representados pelo dinheiro e pelo tempo, anteriormente requisitos prévios para a realização de doações. Elas, agora, podem ser feitas sem que os usuários do aplicativo gastem uma moeda ou saiam de suas rotinas. O Ribon transforma um gesto que repetimos várias vezes ao dia em um ato de caridade”, explica Rafael.


Apoio de peso
Marco Gomes é sócio mentor da equipe. Em maio de 2007, ainda aos 20 anos, Marco abandonou o curso de Ciência da Computação na UnB e abriu sua primeira empresa, a Boo-Box, vendida em outubro de 2015 para a FTPI Digital. Além de premiadas, as empresas fundadas por Marco Gomes foram consideradas as mais inovadoras de seus mercados por Fast Company, Forbes, Exame, Revista Consumidor Moderno, entre outras.

CONTATO PARA IMPRENSA
Taise Borges
(61) 98129-3557
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores