sexta-feira, 26 de agosto de 2016

O curriculum em papel ainda existe?


*Por Fabiana Schneider

Vou começar com uma pergunta provocativa: você acha que o curriculum em papel ainda existe? Mesmo em tempos da “era da informação”, acredite ou não, ainda é necessário você ter seu Curriculum Vitae à disposição, online ou em papel, bem escrito, atualizado, de preferência em até duas folhas, citando as principais palavras-chave sobre você ou suas próprias “hashtags” e suas experiências profissionais, além de “vender” seus melhores projetos e resultados alcançados nas empresas em que trabalhou.  
Mas como um headhunter, como eu, vou poder conhecer você e incluí-lo em um processo seletivo que estou trabalhando se seu CV em papel estiver apenas com você? O Linkedin resolve este problema. Se você tiver um perfil online e em rede, atualizado e idêntico ao seu CV nesta que é a maior rede social profissional da atualidade com mais de 400 milhões de usuários no Mundo, fica muito mais fácil, rápido e assertivo aos recrutadores poder encontrar você! 
Se você está trabalhando, o LinkedIn é uma ótima plataforma de networking e benchmarking sobre projetos semelhantes aos que você trabalha hoje, trocando cases de sucesso, de fracasso ou dificuldades na implantação, e ainda poder ouvir uma proposta de emprego interessante para um novo projeto, por que não?  
Já se você está em transição de carreira e busca uma nova recolocação no mercado ele é uma excelente ferramenta gratuita para buscar novas oportunidades de trabalho. Inclusive compartilho uma dica valiosa sobre busca de vagas no LinkedIn, tanto no site quanto no aplicativo (LinkedIn Jobs): na aba “empregos”, selecione possíveis nomes de cargos e segmentos de atuação e assim busque por diversas opções de palavras-chave, empresas, localidades geográficas (CEP). Depois de selecionadas as mais aderentes a você, salve suas pesquisas e coloque no alerta diário. Pronto! Assim você acompanha as vagas publicadas no LinkedIn, que são bem mais estratégicas que outros sites de empregos. E fique tranquilo pois estes alertas e todas suas candidaturas a vagas poderão ser vistas apenas por você mesmo.  
Vale lembrar que esta mesma dica acima pode ser usada para quem está insatisfeito com seu trabalho atual e quer saber passivamente como anda o mercado de trabalho pois assim você mesmo pode mapear o mercado por meio das vagas abertas para sua área, cargo ou segmento buscando por títulos semelhantes ao seu hoje, por exemplo. E caso não encontre nenhuma vaga para seu perfil ou encontre vagas pouco aderentes, reflita bem sobre sua real insatisfação e sua resiliência em continuar mais um tempo em sua empresa atual.
Por outro lado, se você busca proativamente inscrever seu CV em empresas que admira ou até mesmo quer confirmar informações antes de aceitar uma nova proposta de emprego, vale a dica de seguir estas empresas no LinkedIn e ainda se conectar com profissionais que trabalham lá para poder conhecer mais da cultura e clima organizacional no dia-a-dia, sempre com muito bom senso, objetividade e paciência se não for respondido. 
E para as empresas, estas mesmas estratégias podem ser utilizadas para fazer o mesmo mapeamento de mercado, público-alvo, concorrentes, oxigenar e ampliar sua rede para alcançar um maior número de prospects para seus produtos ou serviços, ou ainda conhecer novos parceiros, fornecedores ou futuros sócios. No LinkedIn você consegue buscar muitas destas informações estratégicas para seu negócio de forma fácil, rápida, assertiva e gratuita. Cuide de seu perfil no LinkedIn e mantenha-o atualizado sempre que iniciar ou concluir algum novo curso ou quando iniciar ou terminar um projeto. 
*Fabiana Schneider é professora do ISAE/FGV, de Curitiba (PR), e tem mais de 18 anos de experiência profissional na área comercial, atuando em empresas nacionais e multinacionais. Há mais de 4 anos tem se dedicado à área de desenvolvimento humano atuando como consultora de carreira para profissionais e headhunter para empresas.

Fonte: Caroline Rodrigues
P+G Comunicação Integrada
Reações:

0 comentários:

Lava jata do gaúcho

Lava jata do gaúcho

Marcadores